Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

A Outra Face da Lua

A Outra Face da Lua

28
Mai18

O Futuro

ipgines

O que mudará depois deste desafio?

 

Sou do género de pessoa que gasta algum tempo em busca do sentido da vida. Não o procuro fazendo coisas. Apenas o faço observando. A mim e aos outros.

Não seriam precisas 100 questões para me tornar mais introspectiva do que já sou. Por isso, arrisco dizer que não mudará muita coisa. Algumas questões foram mais difíceis de responder pela sua natureza mais examinadora que me obrigavam a parar por diversos dias e pensar. Em especial tudo o que tenha a ver com adjectivar-me ou fazer planos de vida concretos. São exercícios que me assustam por perceber que não me conheço bem nem tenho certezas de nada.

 

Assim terminam as 100 questões para o meu auto conhecimento. Com certeza não ficarei por aqui.

24
Mai18

Agradeço, hoje

ipgines

Pelo que me sinto grata, hoje?

Acho que praticar gratidão é das coisas mais difíceis que podemos fazer. Pelo menos na nossa cultura que nos obriga a querer sempre mais e nunca estar satisfeitos. Agradecemos sempre com um "mas...".

Acho que até já falei disto num post. Gratidão é uma coisa que não consigo sentir, exactamente porque, olhando para a minha situação actual, acho que poderia ser e ter melhor. E já sei que estou onde tenho de estar. Faz parte da minha evolução. Da minha, pessoal. Incomparável à dos outros.

 

Mas, pelo exercício, aqui fica:

Estou grata por ter um emprego e poupanças, uma cama onde dormir todas as noites e por ter pessoas que se preocupam comigo.

Mas...

23
Mai18

Hoje

ipgines

Hoje, agora, gosto de estar em Portugal, de ter um emprego e ter uma vida mais ou menos normal onde consigo fazer um bocadinho de tudo. Ou onde tento fazer um bocadinho de muito.

Onde, para além do trabalho, consigo ocupar o meu tempo de outras formas mesmo que quase se tornem tarefas. É uma forma de começar a ganhar gosto por qualquer outra coisa que estar em casa.

 

Apesar desta vaga positiva, sinto um desassossego constante. De não querer estar onde estou. De não querer ser quem sou.

23
Mai18

Eu

ipgines

Novamente...

Screenshot 2018-05-20 at 20.08.28 - Edited

Uma alma que vagueia numa mente de menina. À procura, sempre à procura e nunca sabe de quê. Anseia, desespera mas por vezes sente alguma paz e algum contentamento.

Muito sinceramente não sei quem sou nem para onde vou.

Se calhar é mesmo assim.

Ser ninguém, estar livre. É ser alguém.

12
Mai18

Visão para a Vida

ipgines

Há uns anos atrás deixei (ou assim pensei) de fazer planos para a minha vida e fui fazendo o que me foi aparecendo à frente sem pensar muito no assunto.

Quando consegui um pouco de estabilidade, tudo mudou. Tornei-me possessiva em relação à minha vida. Parece normal, não é? Se a vida é minha, tenho de apossá-la...

Além de controlar a minha vida, queria controlar eventos exteriores a mim e o que outros faziam e a forma como me influenciavam. No momento em que consegui fazer um plano minimamente decente e exequível, perdi a cabeça. A minha depressão acentuou-se e afastei-me de tudo e todos, larguei um emprego e uma equipa que me davam estabilidade a médio prazo e fugi para um que ainda me prejudicou mais. E daqui foi um tombo a cada passo que dei na minha vida. E quanto mais perdia o controlo do que se passava e de como me sentia, mais aferradamente me agarrava a acontecimentos, pessoas e situações negativas porque achava que era por ali que a minha vida tinha de rumar.

Expectativas para a minha vida são muitas mas tenho medo de falhar. Nem sequer é medo de falhar os objectivos, é medo de falhar no caminho e ficar desapontada e perder o interesse nesses objectivos.

Portanto, neste momento, ando novamente ao sabor do vento, apesar de não estar totalmente satisfeita. Não estou a ser capaz de definir nem objectivos nem um caminho nem perceber o que realmente (e se realmente) quero. Tenho muita dificuldade em focar-me na minha vida, a minha mente dispersa e foco-me no que não quero.

07
Mai18

3 coisas sobre mim

ipgines

3 coisas que aprendi sobre mim?

 

Uma delas é a certeza de que pouco ou nada sei. Que pouco ou nada vi. E que pouco ou nada fiz. A experiência que tenho de vida é ínfima.

Mas que, além da rala sabedoria, dotei-me de uma qualidade que quase me atraiçoa: empatia. Apercebi-me há poucos anos da minha capacidade de compreensão dos outros. De sentir na minha pele o que os outros sentem na deles. Que é bastante vantajoso quando achamos que nos devemos todos conectar de forma sensitiva e quando tomamos o papel de ouvinte. Acontece que, por vezes, a empatia mais parece um kryptonite que me amolece e torna num alvo fácil. Ainda não sei utilizar esta característica com mestria.

 

Outra coisa sobre mim é que sou a pessoa mais estranha que já conheci. E digo isto com base na minha forma estranha de ser, de pensar, no meu sentido de humor cinzento às bolinhas coloridas, variações de humor, quereres, poderes e todas as forças antagónicas que em mim vivem e me tornam num bicho de 1001 cabeças.

01
Mai18

Que Direcção

ipgines

A minha vida está a desenvolver-se de forma negativa ou positiva? Porquê?

 

Com toda a honestidade que a minha ansiedade me permite, não posso dizer que a minha vida esteja a rumar num sentido negativo. Mas o contrário também não acontece.

Se a minha vida tivesse pernas, caminharia sobre a fina fronteira entre um mundo colorido e um outro mais sombrio, oscilando abruptamente entre ambos. Mas será verdade?

Será que a vida, não sendo totalmente positiva se torna negativa ou vice versa? Ou aquilo que acredito ser positivo não é apenas a mente tentar forçosamente convencer o coração de que nem tudo é assim tão mau. Que, se sou capaz de sorrir e sair da cama, mesmo que sem vontade, afinal nem tudo é tão mau. Ou que é realmente mau porque tenho de me esforçar tanto para o fazer.

A grande maioria dos meus sorrisos são falsos. Forçados. Tal é a preocupação em esconder o mau humor, o negativismo e as más vibrações que as pessoas tanto odeiam. Se não posso ser eu, o meu eu mais negro como forma de expressão, estarei mesmo num caminho positivo?

O meu mundo físico arrasta-se pelo mesmo tipo de caminho. O meu eu pendula de um extremo ao outro várias vezes por semana. Nos dias em que sinto bem, a música mais simples é suficiente para me deixar um sorriso nos lábios, a comida sabe melhor e o sono vem mais rápido. E há dias em que não suporto ouvir música, não consigo parar de comer mas tudo me saca um sorriso. Porque sinto que tenho de esconder os meus sentimentos.

27
Abr18

Quotidiano

ipgines

O que mais e menos gosto no meu dia a dia?

 

Sem dúvida que acordar cedo depois de uma noite dormida levemente me custa imenso. Acordar cansada, com as pernas pesadas e com os olhos vermelhos como se tivesse estado com eles abertos horas a fio, não é um bom começo de jornada. Acrescentando o facto de trabalhar num open space com luzes amarelo-alaranjadas de olhos fixos no écrã, termino o meu dia completamente exausta.

 

Aquilo que me apraz mais é mesmo o facto de eu sair de casa. Ter um motivo para tal. Saber que ainda estou sã o suficiente para fazer uma vida normal. E que ainda ha coisas que me fazem sorrir e sentir bem.

26
Abr18

O Arrependimento a Evitar

ipgines

Um arrependimento que quero evitar na minha vida.

Já vou tarde. Sei perfeitamente que numa fase mais avançada da vida vou sentir arrependimentos e todos estarão relacionados com a forma abatida com que vivo (vivi).

É muito mais fácil relembrar o passado e o que correu mal e saber o que faríamos de forma diferente do que ter a força e coragem para enfrentar fantasmas e enfrentar a vida como bem entendemos no presente.

O retorno ao quotidiano laboral trouxe novamente todas as dúvidas e todos os preconceitos que tenho sobre mim. O facto de estar a fazer algo que não me estimula e de não saber que caminho tomar. E que, na verdade, nada me excita, nada me apaixona, nada me interessa. Que tarefas se ajustam ao meu carácter e às minhas aptidões quando eu própria não me conheço. Quando eu própria não sei identificar as minhas próprias competências. Tudo me aborrece e a minha paciência escasseia.

Sinto-me dependente e desresponsável, desmotivada. Areias movediças que me engolem quanto mais me tento soltar sem um plano bem definido.

Não sei onde encontrar forças.

O arrependimento já cá está e não desaparecerá.

25
Abr18

Recomeçar

ipgines

Se tivesse possibilidade de um novo recomeço, escolheria ser o oposto extremo daquilo que sou hoje.

Seria confiante, decidida, apaixonada, focada, determinada.

Feliz.

Daqui