Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Louvar os Erros

24.06.18

Com toda a certeza todos temos histórias de quando, pelo menos uma vez na vida, nos chamaram a atenção pelos erros que cometemos e de como não somos louvados pelo bom trabalho que produzimos a maior parte do tempo. É uma característica da nossa sociedade portuguesa.

 

Desde que me lembro, lido muito mal com erros meus. Más notas ou respostas erradas na escola e erros ou problemas mal solucionados no trabalho em vida adulta. Não saber lidar com a frustração do momento, ser alvo de crítica e posta numa posição vulnerável à vista de todos é a memória mais recorrente quando percebo que não fiz bem as coisas. Fico cega. Não consigo pensar muito menos produzir pensamentos coerentes, nem sou capaz de desconstruir uma situação para a resolver.

Aumenta o batimento cardíaco, a respiração acelera e sinto que vou colapsar. Só consigo pensar no quão incompetente sou que nem uma tarefa fácil sou capaz de levar a cabo. Apetece-me virar costas e mandar tudo às urtigas. Trancar na casa de banho e fazer reset.

 

Sabemos que erros acontecem. E que podemos aprender com eles. Mas poderemos evitá-los mesmo aprendendo com eles? Erros são consequência de falta de atenção ou até da tão venerada capacidade de multi tarefa mas errar é humano e fará sempre parte desta nossa condição. Problemas a nível profissional ou pessoal que nos roubem o nosso poder de concentração do que estamos a fazer. Afinal de contas não é fácil "viver o momento" no seu sentido mais literal.

Em conversa com um médico, este contou-me a sua perspectiva de como a minha geração foi super protegida por pais que tentaram proteger os seus filhos das dificuldades por que passaram na sua juventude. Apesar de não constituir novidade, acho importante perceber esta tendência na incidência de ansiedade e problemas de saúde mental na minha geração e no que isto significa para o nosso futuro enquanto geração e o que trazemos para o mundo e para a sociedade.

 

É verdade. Não sei lidar com as minhas frustrações nem com os meus insucessos. Podemos responsabilizar os nossos pais ou traumas de infância mas a batata quente está nas nossas mãos e é urgente encontrar formas de saber lidar com estes sentimentos tão derrotistas.

 

Este post vem no seguimento de um meltdown que tive no trabalho porque esbarrei o dia todo com erros meus e, como se tornou tão difícil saber controlar o apagão mental e o furacão de emoções que me assolou naquele dia.

 

Quem ler este post e se relacionar de alguma forma com este tipo de acontecimentos que tire 5 minutos para ver o vídeo abaixo. É muito simples e não diz nada de novo mas, pode ajudar.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)


4 comentários

Imagem de perfil

De Francisco a 24.06.2018 às 13:55

''(...) a minha geração foi super protegida por pais que tentaram proteger os seus filhos das dificuldades por que passaram na sua juventude.'' -_-
É que um dos meus grandes defeitos foi (e é) esse... E por mais que, agora se vá perdendo isso, ainda o sinto muito. O que vale é que o meu espírito não se prende com o conformismo, apesar de ter sido a forma como vivi tudo até aqui. A minha esperança é que de um dia para o outro tudo vai mudar, e criarei a minha independência, farei os meus próprios erros e não apenas evitar os que os meus pais fizeram.
Se formos a ver, os nossos pais estão a evitar que nós fazemos os seus erros, mas quem lhes disse que faríamos as coisas como eles as fizeram?
Não sei... Não os posso culpar por tudo, afinal nesta altura já sou eu que tenho o controlo, mas esse ainda está rodeado de todo um conjunto de fios ligados aos meus membros qual boneco de teatro, e por vezes ainda se tem que fazer um grande puxão para ir avante.
Imagem de perfil

De ipgines a 04.07.2018 às 16:15

Pois. Nós em adultos achamos que temos o controlo mas às vezes nem sempre tomamos realmente as rédeas da nossa vida. É difícil deixar o conforto oferecido pelos nossos pais e tomar responsabilidade pela nossa independência.
Imagem de perfil

De Nuno a 11.07.2018 às 23:10

Boa noite. Por portas e travessas vim aqui parar através de outro blog. É que bela surpresa belo texto, bela reflexão. Será que alguém é de facto capaz de lidar facilmente com os seus erros. Tenho para mim que o problema não se se tra na educação comum mas na educação emocional que muitos descoram e que tanta falta faz para podermos lidar com o dia-a-dia.
Imagem de perfil

De ipgines a 15.07.2018 às 11:32

Concordo. A educação emocional é uma coisa muito recente sim. Não fez parte da educação passada e isso nota-se nos nossos pais e na educação que recebemos deles. Para não falar na escola...
Muito bom ponto de vista. Obrigada pea visita Nuno :)

Comentar post



Mais sobre mim

foto do autor




Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.