Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A Outra Face da Lua

A Outra Face da Lua

01
Abr18

Igualdade

ipgines

Uma verdade absoluta para mim. A igualdade de todos os seres humanos.

 

Não importa raça, idade, género, religião ou estatuto social. Tão pouco importa a ideia que cada um tem de si ou dos outros.

Partilhamos da mesma condição na chegada e partida deste mundo. Chegamos sem nada e nada levamos connosco.

Já houve momentos em que me senti superior aos outros por razões mesquinhas, por preconceito e pouco conhecimento. É difícil, ao comum mortal, não ter estes sentimentos em determinadas situações mas há, realmente, alturas em que até o contrário acontece.

 

Durante a minha vida tenho-me debatido com um sentimento de inferioridade, presente desde que me lembro. Um obstáculo ao alcance e criação de objectivos. Gosto de aprender mas nunca fui boa aluna. Ou talvez nunca tenha tentado para evitar desilusões. Ao mesmo tempo, afastei-me da sociedade e nunca tive uma vida social saudável por achar que não era suficiente. Não era interessante nem bonita nem tinha piada e não tinha opiniões. A minha atenção estava sempre virada para o meu interior. Para as minhas fantasias. Todas criadas, seguras e menos ridículas quando estava sozinha, entre as paredes da minha casa. Era aí, no conforto irreal dessas fantasias que mais passava tempo e onde podia ser eu.

Sempre me senti pequenina na presença de figuras com autoridade. Pais, chefes, autoridades policiais. Pedir direcções ou fazer perguntas a estranhos. A boca seca, a voz treme e a ansiedade vem. A minha insegurança torna-se, imediatamente, uma desvantagem e alguém com más intenções ou que pura e simplesmente não se importe com os meus sentimentos, pode tirar partido de mim.

Ainda que sendo capaz de criar amizades, sinto-me sempre numa posição de inferioridade. Pela falta de honestidade da minha parte. Em relações interpessoais sei que parto do princípio de que não estou a ser honesta. Tenho segredos que não partilho e conversas que nunca vou querer ter. Para evitar sentir vergonha e que sou ainda mais desinteressante.